Suinocultura

Cadeia produtiva na suinocultura: como otimizar as fases de engorda?

Por 11 de setembro de 2020setembro 17th, 2020Sem comentários

Controlar os fatores que influenciam o ganho de peso dos animais na fase de engorda é um dos maiores desafios dentro da cadeia produtiva na suinocultura. Isso porque o crescimento e desenvolvimento dos animais está diretamente ligado a diversos fatores, como genética, nutrição, ambiente, manejo e sanidade.

Devido a complexidade dessas variáveis, é fundamental que cada índice seja acompanhado de perto e de maneira ágil, possibilitando que ações corretivas sejam tomadas em tempo hábil para evitar perdas. 

Ao identificar condições adversas nas instalações ou no plantel, as indústrias, cooperativas e produtores rurais podem alinhar as mudanças e trabalhar de forma integrada e de acordo com seus objetivos.

Mas afinal, como otimizar as fases de engorda para que a gestão dessa etapa funcione de maneira intuitiva, eficiente e economicamente satisfatória? 

Continue a leitura e confira nossas dicas!

Como funciona a cadeia produtiva na suinocultura?

A cadeia produtiva na suinocultura é composta por vários segmentos interligados dentro do agronegócio. A eficiência de todos os setores é fundamental para que seja possível alcançar o cenário ideal para qualquer produtor, cooperativa ou integradora. 

Esse cenário ideal pode ser caracterizado por alguns pontos, como: 

  • Redução de custos;
  • Aumento da rentabilidade;
  • Alta qualidade do produto final.

De acordo com o SEBRAE, a cadeia produtiva na suinocultura é estruturada por 5 subsistemas principais, são eles:

    1. Apoio: Representado pelos colaboradores, agentes de transporte e fornecedores de insumos básicos, como matéria-prima para ração e medicamentos;
    2. Produção agropecuária: Composta, em geral, por produtores rurais que são responsáveis por criar e engordar os animais para atendimento de cooperativas e indústrias;
    3. Industrialização: Feita através de dois tipos de indústrias principais, as de primeira transformação, responsáveis pelo abate e obtenção das peças de carne, e as de segunda transformação, que realizam a incorporação ou agregação de valor dessa carne;
    4. Comercialização: Representada por atacadistas, varejistas, exportadores, restaurantes, hotéis, hospitais, instituições de ensino, empresas de fast food, entre outros;
    5. Consumo: Responsáveis pela compra e consumo do produto final e possuem grande influência nas tendências de mercado.

Sistemas de produção

A suinocultura também pode ser distinguida e classificada de acordo com o sistema de produção adotado. O tipo de sistema pode influenciar na gestão dos suínos e nas estratégias para otimizar as fases de engorda.

Isso porque cada sistema apresenta limitações distintas, viabilizando, ou não, um maior controle sobre os fatores que influenciam o crescimento e desenvolvimento dos animais nessas etapas. 

De modo geral, as criações intensivas com confinamento de alta tecnologia são as mais utilizadas por produtores que atendem indústrias ou cooperativas. Afinal, a tecnologia oferece uma maior margem de controle para os gestores e cuidadores do plantel, tornando a cadeia produtiva na suinocultura mais eficaz, lucrativa e rentável.

Como otimizar as fases de engorda na suinocultura

Seja no sistema de creche e terminação ou no modelo Wean-to-finish, o objetivo sempre será melhorar a conversão alimentar dos leitões para que eles possam ganhar peso e rendimento de carcaça com o menor custo possível.

Para que isso seja possível, é fundamental combinar diversos fatores, como:

  • Genética favorável;
  • Condições ambientais ideais;
  • Nutrição equilibrada e de qualidade;
  • Proteção sanitária;
  • Manejo da forma e no tempo correto.

Dentro da plataforma Meu Lote, desenvolvida pela Granter, existem funcionalidades para que esses fatores possam ser monitorados e administrados. 

Confira, a seguir, 3 principais soluções da plataforma de gestão de suínos que também são dicas de como otimizar as fases de engorda!

1. Realizar acompanhamento frequente e controle do consumo de ração

Os gastos com a alimentação animal representam cerca de 70% dos custos de produção da suinocultura. Por isso, é extremamente importante ter o controle da quantidade de ração consumida no período e estimar o ganho de peso diário do lote.

Essa análise ajudará a verificar se existem outros fatores que estão prejudicando, de alguma forma, o ganho de peso dos leitões. Além disso, também é possível saber se estão ingerindo a quantidade indicada de ração de acordo com sua idade e fase de desenvolvimento.

Ao oferecer alimento sem conseguir mensurar a quantidade, o cálculo real de ganho de peso e dos custos com a nutrição animal não se tornam confiáveis. Isso afeta toda a estrutura financeira da suinocultura e também a saúde nutricional dos suínos.

Através da plataforma Meu Lote, os produtores ou colaboradores conseguem enviar dados sobre o consumo de ração e fazer pedidos direto para a fábrica, evitando atrasos e perdas pela falta de abastecimento. 

Além disso, a plataforma também oferece aos gestores um painel completo e detalhado sobre o ganho de peso estimado dos animais por lote, atualizado em tempo real.

2. Como melhorar a eficiência em relação a administração de medicamentos e ao controle do período de carência

As questões sanitárias e a proteção dos suínos em terminação também pode interferir significativamente nas fases de engorda dos animais. Isso porque doenças podem ser o motivo da ineficiência na conversão alimentar e no ganho de peso lento ou abaixo do esperado.

Por outro lado, caso haja falha na administração dos medicamentos, podem surgir problemas como o aumento dos custos de produção e comprometimento da saúde do animal ou do tempo ideal de abate pelo intervalo insuficiente para o período de carência de determinada medicação.

Para evitar esses e outros problemas que podem ser gerados pela gestão de remédios e vacinas, é fundamental ter um registro facilitado das dosagens, aplicações e datas para todos os colaboradores envolvidos.

Com o sistema de gestão da produção de suínos Meu Lote, é possível acompanhar todas as atividades relacionadas à sanidade animal. Além disso, existe a possibilidade de consultar períodos de carência e de alinhar todo o planejamento dentro dos padrões exigidos pelos órgãos reguladores.

3. Ter dados sobre os lotes em tempo real para auxiliar nas decisões

Cuidar de vários animais ao mesmo tempo e administrar os lotes de acordo com suas necessidades particulares não é uma tarefa fácil para quem ainda depende de planilhas, relatórios, fichas impressas e retorno das visitas técnicas. 

Por ser um sistema dinâmico, imprevistos podem surgir a qualquer momento. Portanto, quanto mais rápida uma ação é realizada para minimizar danos e prejuízos, mais eficiente ela se torna. Por isso, poder acompanhar o que acontece nos lotes e granjas em tempo real é a melhor maneira de otimizar as fases de engorda dos suínos.

Já imaginou se fosse possível receber, no celular, informações geradas em tempo real dentro de um sistema produtivo de suínos? Com a plataforma Meu Lote essa inovação é uma realidade.

Através de uma interface intuitiva, completa e dinâmica, os gestores da integradora conseguem receber os dados diretamente do produtor – com índices diretamente da granja e de maneira imediata.

Essa tecnologia viabiliza o acompanhamento a distância, otimizando a agenda de visitas e vistorias da integradora. Isso permite que os gestores priorizem as propriedades que apresentem maior taxa de desvios de lote e solucionem problemas com agilidade e eficiência.

Tecnologia a favor da produção: conheça a plataforma Meu Lote

O maior desafio das indústrias integradoras e cooperativas é realizar um acompanhamento detalhado e constante em cada uma das propriedades onde os lotes de parceiros estão localizados. 

Quando há um grande número de lotes, dispor de uma equipe técnica para realizar essas análises semanalmente pode ser tornar uma tarefa complexa, diante do aumento nos custos que causarão prejuízos econômicos para a indústria.

Ao mesmo tempo, depender de dados defasados apresentados pelos produtores ou colaboradores também prejudica as ações e os manejos. Isso faz com que a produção não atinja o seu máximo potencial máximo produtivo.

Sendo assim, a melhor estratégia para otimizar as fases de engorda na suinocultura é encontrar uma solução que integre todas as informações necessárias e gere alertas e indicadores em tempo real.

Com o objetivo de conectar gestores, extensionistas e produtores rurais, a plataforma Meu Lote possibilita que as informações cheguem no tempo exato para serem transformadas em benefícios.

Por meio da tecnologia, é possível melhorar e acompanhar a performance de vários lotes de maneira fácil, rápida e com clareza para tomar decisões.

Quer saber mais sobre o produto que está revolucionando a suinocultura no Brasil? Então entre em contato conosco agora mesmo e tire suas dúvidas!

Deixe um comentário