Suinocultura

Suinocultura no Brasil: o cenário de 2021

Por 26 de janeiro de 2022Sem comentários

Os resultados da suinocultura no Brasil são animadores para os produtores. Especialmente depois dos tempos de crise vividos durante a pandemia.

Compreender os principais dados do setor, bem como suas perspectivas futuras, é fundamental para começar o próximo ano.

Se você quer saber sobre a produção de suínos no Brasil e informações mais relevantes, veio ao lugar certo.

Confira, a seguir, os principais detalhes e insights sobre a produção, exportação, consumo interno e muito mais. 

Suinocultura no Brasil: o que os dados nos mostram? 

De acordo com as estimativas mais recentes da Associação Brasileira de Proteína Animal, o Brasil deve fechar 2021 com até 4,7 milhões de toneladas de carne suína produzidas. 

Isso significa que a produção será 6% maior do que em 2020, quando foram produzidas 4,436 milhões de toneladas.

Em relação ao total destinado para o mercado doméstico, o fechamento esperado é de 3,600 milhões de toneladas. 

Assim, o consumo interno será 5,5% maior que em 2020, em que foram registradas 3,412 milhões de toneladas

Quanto às exportações, compilamos alguns dados do portal Comex do Governo Federal que demonstram como o cenário permanece positivo. Confira:

  • a carne suína movimentou US$ 2.138,62 milhões em exportações de janeiro a outubro;
  • foram mais de 865.343 toneladas exportadas, em um aumento de 15% no período;
  • o preço por kg subiu 6% ao longo do ano, atingindo US$ 2,47;
  • 0,9% das exportações totais do país foram de carne suína;
  • o setor ficou em 19° lugar em relação às exportações totais;
  • Santa Catarina foi o estado que mais exportou, com 53,1% de participação;

Vale ressaltar que os dados do Comex ainda só contemplam o mercado até o mês de outubro. De acordo com os dados da ABPA que citamos acima, a expectativa é que a exportação atinja até o fim de 2021 de 1,1 milhão a 1,15 milhão de toneladas. 

Sendo assim, o cenário se torna ainda mais animador, já que isso representaria um aumento de até 12% em relação a 2020, em que foram embarcadas cerca de 1,024 milhão de toneladas.

Segundo uma matéria do site Suinocultura Industrial, a mesma base comparativa aponta um crescimento de 13% nas exportações para 2022, com até 1,25 milhão de toneladas. 

O aumento do consumo per capita de carne suína no Brasil 

Um dos fatos mais positivos para a suinocultura no Brasil em 2021 é o aumento contínuo do consumo doméstico.

No segundo trimestre do ano, o consumo per capita chegou a 17,65 kg. Trata-se de uma superação significativa do volume recorde de 2020, que foi de 16,9 kg.

Os dados da ABCS, publicados pelo Canal Rural, ainda apontam que a carne suína representa 19% do consumo projetado de todas as carnes para 2021, que é de 93,01 kg per capita.

A elevação significativa na preferência dos consumidores é associada à desmistificação de alguns mitos sobre a produção de suínos.

Ou seja, os consumidores estão mais conscientes sobre a qualidade e a saudabilidade desse tipo de carne e as priorizam em suas compras. 

A maior produtividade das granjas, que citamos no item anterior, também é apontada como um fator motivador do consumo. 

Inclusive, a alta procura deve buscar um crescimento de cerca de 4% na produção, que atingirá de 4,8 milhões a 4,85 milhões de toneladas em 2022, como também apontam os dados do portal Suinocultura Industrial. 

Outro ponto importante em relação à suinocultura no Brasil é que a carne suína tem ocupado muito o lugar da carne bovina na mesa dos brasileiros.

Os principais motivos incluem a elevação dos preços e a queda na produção de bovinos. Para você ter ideia, seu consumo foi 4% menor em 2021 do que em 2020. Os dados são do Uol.

Em comparação ao período pré-pandemia, a diminuição no consumo de carne bovina foi de surpreendentes 14%. Muito disso ocorreu por conta dos reajustes acumulados nos últimos anos e repassados aos clientes, bem como pela redução da oferta interna gerada pela alta do dólar. 

China como maior parceira comercial 

De acordo com outra matéria da ABPA, a China continua como a maior parceira da suinocultura no Brasil.

Nos últimos dados de exportação, que contemplam de janeiro a outubro de 2021, foram direcionados 481,9 mil toneladas para o país asiático. Trata-se de um volume 13,9% maior que o registrado no mesmo período em 2020.

Segundo uma publicação da Exame, o recorde foi no mês de setembro, em que 112,2 mil toneladas foram embarcadas. Os principais fatores que motivam a alta procura chinesa são sanitários.

Isso porque, em 2018, os rebanhos da China foram comprometidos pela febre suína africana. Trata-se de uma doença que mata os animais em cerca de dez dias. A patologia dizimou aproximadamente 60% dos suínos no país. Eles ainda não se recuperaram dos surtos, ainda detectam novos focos e seguem incrementando suas exportações. 

Voltando aos dados da ABPA, outros importadores que merecem destaque são o Chile, o Japão e os EUA. Eles foram destino, respectivamente, de 52,5 mil toneladas, 11,3 mil toneladas e 9,7 mil toneladas.

Ainda que a produção de suínos siga em um contexto de retomada, as perspectivas certamente são animadoras.

Sabendo disso, a Granter trabalha para impulsionar os resultados da agroindústria brasileira, oferecendo o que há de melhor em termos de automação e tecnologia da informação. 

Entre em contato conosco, conheça os diferenciais das nossas soluções e descubra como nós podemos lhe ajudar a crescer junto com a suinocultura no Brasil.

Deixe um comentário