Produção de suínos

Custo de produção de suínos e a alta dos preços de grãos

Por 26 de janeiro de 2022Sem comentários

Enfrentando dificuldades com o custo de produção de suínos?

Todo suinocultor sabe que a alimentação é a principal fonte de investimentos nas granjas. Ela é de suma importância para o desenvolvimento e valorização dos animais, mas pode gerar desperdícios se não for bem aproveitada.

Com as altas no preço da soja e do milho, as aquisições de rações se tornaram mais caras. Isso pode pesar bastante no bolso de quem produz e até inviabilizar sua presença no mercado. 

A boa notícia é que existem alternativas para melhorar o desempenho alimentar. O resultado são menos gastos e mais qualidade para o produto final. 

Quer entender melhor o assunto e descobrir como otimizar o seu custo de produção de suínos? Então acompanhe as informações e dicas que compilamos neste artigo. 

Como a alta dos preços de soja e milho afeta os custos da produção de suínos? 

Os grãos mais utilizados para elaborar rações são o milho e o farelo de soja. Desde o ano passado, ambos foram extremamente valorizados no mercado internacional. Como resultado, seu preço aumentou no mercado interno e elevou o custo de produção de suínos. 

Para você ter ideia, em abril de 2021, a saca de 60 kg de milho rompeu a casa dos R$ 100,00. Como consequência do aumento, no primeiro quadrimestre do ano, os investimentos com nutrição animal foram 6,35% maiores.

Até maio, a alimentação na suinocultura representava 82,12% do total investido na área. No mesmo período em 2020 (quando o preço de soja e milho já vinham subindo), esse índice era de 79,06%. Ou seja, a situação só se agravou com o passar do tempo. 

No estado líder em produção de suínos no Brasil, Santa Catarina, o aumento nos custos produtivos entre abril de 2020 e de 2021 foi de surpreendentes 52,8%. Todos os dados citados até aqui são do portal Notícias Agrícolas. 

As altas constantes nos custos de produção só começaram a cessar em julho, quando o milho e a soja começaram um lento recuo. As melhores perspectivas desde então surgiram em outubro, ainda que o poder de compra dos produtores tenha continuado menor em relação a 2020. 

Isso porque, a saca de 60 quilos de milho teve queda de 3,09% e foi cotada a R$ 88,99. Já a soja recuou 0,51%, com uma cotação de R$ 174,69. Os dados, publicados pelo Globo Rural, ainda apontam valores altos, mas que apresentam uma queda importante. 

Enquanto ainda existem incertezas se o preço de soja e milho vão continuar baixando, é unânime o entendimento de que o custo de produção de suínos precisa ser otimizado 

para que não dependa tão diretamente das incertezas dos mercados de grãos. 

Como diminuir o custo com a produção de suínos neste contexto? 

Como se não bastassem as variações do mercado internacional, o preço de soja e milho também foram muito influenciados neste ano por fatores ambientais, como a seca e a geada.

Isso significa que, além da alta nos valores, a própria qualidade do cultivo foi prejudicada. Assim, a preocupação também se estende ao desempenho alimentar dos animais. 

Em todos os casos, otimizar o custo de produção de suínos é fundamental para superar essas adversidades. Confira as principais alternativas e tendências adotadas pelas granjas:

Soluções enzimáticas

Uma forma de minimizar as perdas é melhorar o aproveitamento da dieta dos suínos. O motivo é simples: um quarto dos nutrientes das rações não é absorvido pelos animais. 

Evidentemente, quanto melhor é a digestibilidade do alimento, maior é o aproveitamento dos ingredientes. Assim, menores são os desperdícios e o custo de produção de suínos. 

Diante disso, muitas granjas têm adotado soluções enzimáticas nas rações. Elas servem para melhorar a absorção de aminoácidos e proteínas, a digestibilidade de carboidratos e para reduzir a incidência de patógenos alimentares. 

Segundo um estudo publicado no portal Suinocultura Industrial, essa alternativa pode melhorar a conversão alimentar em 4,62%, aumentar o ganho de peso em 5,79% e diminuir o custo de produção de suínos em até R$ 100,00 por tonelada tratada. 

Controle assertivo de micotoxinas

Outra questão que envolve a alimentação dos suínos é a possível presença de micotoxinas. Esses agentes patógenos podem ser ingeridos em rações contaminadas.

Além de prejudicar a capacidade reprodutiva dos suínos, eles também geram transtornos gastrointestinais. Ou seja, representam um risco sério para o desempenho alimentar. 

Para minimizar ou mesmo eliminar sua incidência, é imprescindível confirmar a procedência dos grãos usados nas rações. Portanto, os produtores prezam cada vez mais por um acompanhamento sólido, desde a fábrica até sua movimentação às granjas.

Somado a isso, também estão os adsorventes de micotoxinas. Eles são adicionados à ração para eliminar os patógenos, sem que isso prejudique a absorção de minerais e de vitaminas dos animais. 

A tecnologia como aliada a longo prazo 

Somada às soluções apresentadas acima, os avanços da tecnologia são protagonistas na otimização do custo de produção de suínos.

Cada vez mais, os produtores entendem que o apoio de sistemas inteligentes pode impulsionar sua lucratividade a longo prazo, ainda que os investimentos iniciais sejam um pouco altos. 

Afinal, com soluções especializadas, como é o caso da Plataforma Meu Lote, as granjas se tornam muito mais eficientes e ganham condições para obter maiores rendimentos. Os motivos para isso são diversos e incluem:

  • diminuição de gastos com ração, com acompanhamento em tempo real dos dados de consumo dos animais, possíveis desperdícios, alimentos nos silos e periodicidade para realização de novos pedidos;
  • informações do plantel disponíveis em tempo real, para uma comunicação mais ágil e assertiva entre os envolvidos. Isso também torna a gestão muito mais eficiente, intuitiva e estratégica; 
  • alertas de indicadores críticos para produtores, nutricionistas, técnicos e veterinários, bem como possibilidade de integração com controles de ambiência. São dois fatores que melhoram significativamente o bem-estar animal e seu rendimento;
  • pedidos de ração diretamente integrado no sistema. Trata-se de um diferencial que diminui os erros relacionados aos insumos e também previne atrasos nos pedidos.

Quer conferir ainda mais detalhes sobre o papel da alimentação e da tecnologia na redução do custo de produção de suínos? Então baixe agora nosso infográfico especial sobre o tema.

Deixe um comentário