Produção de suínos

Peletização: entenda a importância para a nutrição dos suínos

Por 20 de janeiro de 2022Sem comentários

A peletização dos alimentos é uma alternativa que está ganhando cada vez mais protagonismo nas granjas de suínos. 

Afinal, se a nutrição animal é decisiva para um melhor desempenho produtivo, então a busca por insumos alimentares mais eficientes é fundamental.

Para você ter ideia, segundo dados publicados no portal Suinocultura Industrial, o uso da ração peletizada gera melhorias de até 8% no ganho de peso diário e na conversão alimentar. 

Acompanhe este artigo para entender melhor o que é a peletização, quais os seus benefícios e como as novas tecnologias da área estão beneficiando os produtores.

O que é peletização? 

Basicamente, a peletização consiste na transformação da ração, que deixa de ser farelada e passa a ser granulada.

Trata-se de um processamento físico químico. Nele, é adicionado vapor à ração farelada em um controle específico de exposição à umidade, temperatura e pressão.

Mais que uniformizar o alimento, ela garante um melhor aproveitamento das suas propriedades nutricionais.

Graças ao controle da umidade e atividade de água no processo, a peletização também garante que a ração mantenha-se livre de microrganismos.

Muito além dessas características, essa alternativa proporciona uma série de benefícios diretos aos animais. Saiba mais sobre eles nos próximos itens. 

A importância da nutrição dos suínos 

Antes de nos aprofundarmos nas vantagens que a peletização gera na suinocultura, é válido reforçar a importância da nutrição para os suínos.

Como todos sabem, o equilíbrio nutricional é imprescindível para a manutenção e sobrevivência de qualquer ser vivo. 

Quando tratamos sobre produção animal, evidentemente o objetivo de qualquer empreendedor da área é garantir que cada suíno cresça e se desenvolva em condições perfeitas.

Fornecer a alimentação correta para a fase e aptidão de cada animal é fundamental, além de garantir excelentes níveis de absorção de nutrientes.

No mesmo sentido, a ração deve estar livre de contaminantes, ser íntegra e ter uniformidade, com a granulometria adequada. 

Muito além da eficácia produtiva, a escolha dos alimentos também precisa levar em conta o custo-benefício. Isso significa que a eliminação de desperdícios precisa ser constante. 

Isso porque, os custos alimentares correspondem, em média, a 65% dos gastos das granjas, como aponta outra matéria do site Suinocultura Industrial

Ou seja, a maximização do desenvolvimento deve andar sempre ao lado da busca por alimentos mais viáveis.

Abaixo, descubra como a peletização beneficia os produtores ao atender a todas essas demandas.

Peletização na suinocultura 

Como ressaltamos acima, a alimentação é o fator de maior participação nos custos produtivos. 

Isso significa que a escolha da ração precisa ser muito criteriosa. Isso vai desde a atenção à  precisão de sua formulação, até a uniformidade da composição dos ingredientes.

Somado a isso, está o máximo aproveitamento dos nutrientes. É isso que proporciona melhores índices zootécnicos, e consequentemente gera mais lucro aos produtores. 

Com a peletização, essas questões econômicas e zootécnicas são perfeitamente contempladas. Veja como seu uso proporciona vantagens em termos de produtividade:

Quais são os benefícios?

Entre os benefícios mais significativos que a peletização agrega à nutrição dos suínos, destacam-se:

  • Redução do pó, que diminui desconfortos e problemas nas vias respiratórias;
  • Melhoria da digestibilidade, garantida pelo tratamento térmico do alimento;
  • Facilitação da ingestão, graças a alteração da forma física da ração;
  • Aumento da palatabilidade, que também garante os níveis esperados de ingestão;
  • Garantia de qualidade na mistura, pois os nutrientes não são segregados no manuseio;
  • Eliminação da contaminação microbiológica, sendo o alimento seguro até sua validade;
  • Maior densidade da ração, que otimiza os custos de armazenamento e de transporte.

Peletização e nutrição dos suínos 

Se considerarmos todo desenvolvimento dos suínos, do nascimento ao abate, os benefícios da peletização são indiscutíveis.

Graças ao processo, a exposição dos grânulos melhor digeridos pelas enzimas gastrointestinais é aumentada. Isso significa mais nutrientes para o organismo dos animais

Das etapas de desmame às fases de creche, a alternativa garante melhores índices de disponibilização de energia e de conversão alimentar

Trata-se de um benefício ainda mais significativo se considerarmos que os leitões precisam de nutrientes de melhor assimilação no período de creche. Isso porque, a troca do leite materno para o alimento sólido gera mudanças muito abruptas para o animal.

Já no caso dos suínos em crescimento e terminação, o foco está no aumento do consumo de ração. Nesses casos, os ganhos da peletização vão além do aumento de peso e do aporte energético ligados à qualidade da carcaça.

Afinal, o crescimento da alimentação também representa mais custos na sua aquisição. Portanto, a densidade que aprimora o manejo, a uniformização e a melhor ingestão são decisivos para otimizar os investimentos.

Tecnologia na alimentação

A peletização é uma das principais tecnologias para otimizar as fases da suinocultura. Entretanto, ela não é a única. Confira outros avanços que já garantem mais produtividade e lucratividade para os produtores ao redor do país:

Automatização 

Até poucos anos atrás, todas as atividades de arraçoamento eram manuais. Os produtores deviam depositar a ração em um carrinho e caminhar baia por baia, colocando os alimentos nos comedouros com uma concha. 

Mais que uma atividade trabalhosa, ela era passível de erros na quantidade disponibilizada em cada fase e que também gerava desperdícios.

Atualmente, é possível automatizar todo o processo. De acordo com as necessidades de consumo dos suínos, um sensor indica a demanda de ração. Quando acionado, o sistema libera dos silos a quantia ideal de alimento, que vai até os comedouros por meio de canos.

Todo o fornecimento alimentar assim é automatizado. Ao produtor, cabe apenas adequar o tipo de alimento a cada fase produtiva e regular os comedouros. 

Gestão da ração

Outra inovação muito significativa é o uso de sistemas para o gerenciamento de ração. Trata-se de uma tecnologia digital que estreita a relação entre o campo e o fomento.

Por meio de uma plataforma, os produtores podem acompanhar todos os dados do plantel em tempo real. Isso permite mais inteligência e precisão no fornecimento de alimento, que inclusive pode ser solicitado aos vendedores diretamente pelo aplicativo.

Mais que garantir um controle pleno das informações alimentares críticas e facilitar os pedidos de ração, o software fornece informações consolidadas para uma tomada mais assertiva de decisão em toda granja.Todos esses benefícios são agregados pelo sistema Meu Lote. Se você gostou de saber mais sobre a peletização, não deixe de conhecer também a tecnologia de referência que já agrega mais eficiência e transparência para os principais produtores do país.

Deixe um comentário