Produção de suínos

Mamite suína: conheça as causas e tratamentos

Por 24 de junho de 2021One Comment

A mamite está entre as doenças infecciosas que mais afetam as matrizes suínas durante o pós-parto, gerando perdas econômicas significativas aos produtores.

Estima-se que o problema, também chamado de mastite, acometa uma a cada dez fêmeas, tendo uma incidência de 9,5% a 13,1% entre os animais. 

Portanto, trata-se de uma condição que exige pleno controle dos criadouros, que devem manter-se atentos às suas características e principais fatores de risco.

A seguir, entenda melhor o que é mamite, quais seus sintomas, meios de tratamento, causas, prevenção e fatores causadores de prejuízo. 

O que é a mamite ou mastite suína? 

A mamite, ou mastite, é caracterizada como uma inflamação da glândula mamária das suínas, decorrente de um processo infeccioso

Em geral, um agente patológico adentra a glândula mamária pelo sangue ou pelo orifício do teto (que é a via de infecção mais comum), prejudicando o tecido e causando alterações no leite. 

A mamite pode ser clínica, que causa alterações visíveis no leite e muitas vezes traz sinais inflamatórios na glândula mamária, ou ainda subclínica, que gera quedas na produção dos animais e o aumento das células somáticas no leite. 

Por ser mais silenciosa, muitas vezes a mamite subclínica passa despercebida pelos produtores, mas ela pode gerar prejuízos ainda maiores que o primeiro tipo. Ela ocasiona severas perdas produtivas, diminui a qualidade do leite, aloja os agentes patógenos e ainda resulta em mais casos de mamite clínica

Sintomas

O primeiro sintoma da mamite é quando as fêmeas ficam desinteressadas pelos leitões depois do parto.

Normalmente, os filhotes ficam urrando e tentando mamar, mas a matriz não responde ao chamado e se deita sobre as tetas para impossibilitar o acesso a elas. 

Outro sinal comum é que as suínas não têm disposição para se levantar e comer, sendo que a falta de alimentação regular pode gerar consequentes carências nutricionais. 

Além disso, a temperatura das fêmeas costuma ficar elevada (acima de 39,8 graus) e as glândulas mamárias ficam inchadas, doloridas, quentes e com consistência carnosa. 

Por fim, também é comum o corrimento vaginal durante três dias pós-parto, com aspecto esbranquiçado, mucoso e inodoro. 

Tratamento

Quando a mamite não é tratada, ela pode ter resolução espontânea em um período de três a cinco dias

Contudo, é fundamental controlar a doença durante sua manifestação, já toda ou grande parte da leitegada pode ser perdida enquanto ela ocorre. 

Na mastite clínica, o uso de antibióticos intramamários é recomendado para os casos leves e moderados. Os medicamentos devem ser ministrados por quatro dias, sendo que a terapia combinada com antibióticos sistêmicos deve ser feita em situações de recidiva.

Já na mastite clínica aguda, o ideal é a aplicação intravenosa ou intramuscular de antibióticos sistêmicos, com suporte de anti-inflamatório não-esteroidal e fluidoterapia. 

Por sua vez, a resposta de como cuidar da mastite subclínica depende do período da lactação.

Enquanto ela ocorre, são indicados apenas antibióticos intramamários. Porém, no final da lactação, é preciso realizar tratamento de todos os quartos com secagem do animal, utilizando medicamento intramamário para matrizes secas associado à aplicação de selante de teto. 

Nas infecções subclínicas crônicas, recomenda-se o descarte. As fêmeas com manifestação recorrente passam a atuar como reservatório de patógenos que podem infectar o restante da criação

Quais são as causas?

A mamite tem maior incidência nas matrizes de idade avançada, que já realizaram quatro partos ou mais ao longo da cadeia produtiva

Em geral, a doença é mais frequente em locais com condições inadequadas de manejo, sanidade e higienização.

Contudo, também é comum que a mastite ocorra em criadouros dotados de excelentes cuidados, por conta de fatores como:

  • constipação da fêmea (fezes secas e dificuldade de defecar);
  • falta de adaptação da suína à cela parideira;
  • troca brusca de alimentação;
  • excesso de calor;
  • parto distócico (que ocorre de forma anormal, com leitões na posição inadequada ou muito grandes, que lesionam a fêmea);
  • estresse animal.

Como evitar a mastite?

O melhor jeito de evitar a mastite é prezar pelas práticas adequadas de manejo das suínas e prevenir os fatores de risco mencionados logo acima.

Nas salas de maternidade, é imprescindível realizar as ações de limpeza e desinfecção adequadas, respeitando o período de vazio sanitário de no mínimo setenta e duas horas. 

Também é fundamental só realizar a transferência das matrizes nos períodos mais frescos do dia, lavá-las antes de entrar na maternidade e instalá-las no local no mínimo quatro a cinco dias antes do parto. 

Durante o parto, as fêmeas devem estar em instalações devidamente higienizadas e ter sua quantidade de ração reduzida até a data prevista para o nascimento dos leitões. 

Para as palpações manuais, a intervenção deve ser decidida com base em critérios rigorosos, com procedimentos de higiene corretos para a matriz e para o operador, e sob medicação parental com antimicrobiano de dois a três dias. 

Já no pós-parto, é indispensável aferir a temperatura corporal dos animais e monitorar se as mamadas estão ocorrendo normalmente.

Além disso, é preciso aumentar gradativamente o volume de ração fornecida até que ela volte à sua quantidade normal depois do período de cinco dias. 

Como cuidados gerais para a prevenção da mamite, recomenda-se manter programas de prevenção contra infecções urinárias e um controle nutricional rigoroso. 

Por fim, é fundamental distribuir as matrizes de acordo com a ordem de parição e considerar o descarte daquelas que apresentam a doença de forma recorrente e crônica.

Os prejuízos para o produtor suíno

A mamite é uma doença que afeta significativamente a saúde e o bem-estar das matrizes e dos leitões

Além de gerar a perda da qualidade do leite, ela provoca prejuízos significativos com o seu descarte e com a eventual necessidade de reposição de fêmeas.

Ainda em relação aos problemas econômicos, a mastite gera gastos severos com a diminuição da fertilidade, com as ações de tratamento, aquisição de antimicrobianos, antibióticos e outros medicamentos. 

Como se não bastasse, a mamite é fonte de alta mortalidade entre os leitões, que afetam toda a cadeia produtiva. 

Isso porque, como os filhotes não conseguem ingerir leite materno, eles se tornam muito fracos e em diversos casos acabam morrendo pela falta de glicose. 

Também são recorrentes os casos de esmagamento de leitões, que tentam forçar a mamada nas matrizes, que por sua vez tentam se esquivar para impedir, deitando sobre eles e os sufocando até a morte. 

Como você viu até aqui, a mastite pode ser fonte de diversos problemas para os produtores suínos. Seus métodos de controle devem fazer parte das rotinas de manejo para garantir uma produção saudável e livre de riscos econômicos. 

Se você gostou do nosso artigo sobre mamite e quer ficar por dentro de ainda mais informações indispensáveis para a qualidade da sua granja, não perca os próximos conteúdos do nosso blog. Clique aqui para receber as novidades por e-mail e compartilhe este post com os seus amigos. 

One Comment

Deixe um comentário